Tudo o que você precisa saber para fazer um plano de negócios

Você sabe como fazer um plano de negócios? A princípio, é fato que todo negócio começa com uma ideia! Mas, antes de tudo, essa ideia nasce, cresce e floresce na mente do empreendedor.

Mas a frieza do mercado e do mundo dos negócios chegam como um raio para atacar a sua ideia, e o escudo para protegê-la é, como muitas coisas na vida, o bom e velho planejamento.

Você nunca pula numa piscina sem colocar o pé na água, certo?

Então, antes de saltar, que tal ver se as condições são favoráveis?

Um Plano de Negócios é a arma que o empreendedor precisa ter, para enxergar as condições do mercado, e antecipar os possíveis problemas que (com total certeza), surgirão em sua trajetória.

Achou interessante? Então acompanhe esse texto que irá explicar com detalhes, como proteger sua ideia de um milhão de dólares.

 Falaremos sobre:

  • O que é plano de negócios;
  • Por que fazer um plano de negócios;
  • Qual a importância do plano de negócios?;
  • Qual a diferença entre plano de negócios e Canvas?;
  • Como criar um plano de negócios (O que você deve incluir em um Plano de Negócios?);
  •  O plano de negócios serve apenas para abrir uma empresa?

Mas então… o que é Plano de Negócios?

Eventualmente, quando crianças, adorávamos fazer uma lista de todos os materiais para o primeiro dia de aula: caderno, lápis, borracha, apontador, canetinha, estojo, corretivo e uma mochila super bacana, para estarmos prontos no início do ano letivo.

Os empreendedores fazem uma lista parecida, mas nela colocam os conceitos, riscos, concorrentes, perfil dos clientes, estratégia de marketing e as finanças, para estarem prontos para o primeiro dia de operação da empresa.

Essa lista, chama-se Plano de Negócios.

Portanto, o Plano de Negócios, formalmente, é um documento, em que o empreendedor registrará todas as ferramentas necessárias para tornar seu negócio operacional e sólido, o bastante para continuar ativo nos anos que virão.

Por que fazer um Plano de Negócios?

Você sabia que, só no Brasil, segundo dados do IBGE (2014), mais de 60% das empresas fecham nos primeiros 5 anos?

Por analogia, imagine ver uma ideia que cultivou sua vida inteira acabar antes mesmo do seu filho terminar a faculdade! O mundo dos negócios é um lugar frio e exigente, e não perdoará gestores mal preparados.

A vista disso, os problemas surgem de qualquer lugar: uma jogada de marketing mal recebida, concorrência desleal, mercado saturado e crise no país. Portanto, para prever e impedir que isto aconteça, é preciso elaborar um Plano de Negócios compreensivo que possa cobrir, ao máximo, todos os prováveis dilemas que entrarão na rotina do gestor.

Qual a diferença entre um Plano de Negócios e um Canvas?

O Plano de Negócios é o documento que consta as informações construtivas ao negócio.

Enquanto o Canvas é apenas uma parte do planejamento, constituído por 9 quadrantes, que se estabelecem nas 4 áreas do negócio: clientes, oferta, infraestrutura e viabilidade financeira.

 São eles:

  • Proposta de valor;
  • Segmento de clientes;
  • Os canais;
  • Relacionamento com Clientes;
  • Atividade-chave;
  • Recursos principais;
  • Parcerias principais;
  • Fontes de receita;
  • Estrutura de custos.

Ok, agora entendi. E como eu faço um Plano de Negócios?

Vamos à prática! Siga os 5 passos abaixo:

1 – SUMÁRIO EXECUTIVO

Conceito da empresa

Em primeiro lugar, olhe para seu negócio com carinho.

O que ele faz? O que ele vende? Qual é o mercado em que ele vai operar? Qual é seu diferencial?

As empresas não existem apenas como atividade lucrativa. É preciso um propósito, servir a sociedade de alguma forma, contribuir para que o mercado cresça, e possuir algo inexistente nas demais empresas. Isso coloca você em vantagem com a concorrência.

Financeiro

Nenhuma empresa funciona sem dinheiro. Mas antes de injetar capital no negócio sem fundamento, você precisa:

  • Calcular exatamente o quanto de capital a empresa necessitará para nascer e crescer;
  • Especificar como ele será usado;
  • Destacar as características contábeis (lucro, vendas, retorno, fluxos de caixa).

Posição comercial

No Plano de Negócios você descreve as características da empresa. Isto é, quem é o dono (ou donos—sócios), como ela funciona legalmente (S/A, LTDA) e quem serão os funcionários.

Descrição

Conforme seu negócio se tornou tangível, podemos avançar com:

  • O nome da empresa;
  • Propriedades e ativos;
  • Objetivos (missão, visão, valores);
  • Como ela obterá lucro;
  • Características do mercado onde ela está inserida;
  • Depois de coletar todas essas informações, compile em um resumo chamado de Sumário Executivo.

Esse será o primeiro e o último passo a ser dado num Plano de Negócios, pois precisa criá-lo primeiro, elaborá-lo, e depois de definir todos os elementos, “finalizá-lo”.

 Sim, está em aspas, pois assim como uma empresa nunca acaba, nem o seu sumário. Sempre haverá algo para acrescentar, mudar ou excluir. Você não precisa fazer um sumário extenso e complicado. Quanto mais claro, e simples, melhor.

Ele serve justamente para saber tudo o que a empresa precisa, e se for muito grande, com certeza haverá dificuldades em priorizar tópicos importantes. Mas calma.

Por isso não é necessário realizar esse sumário agora. Deixe-o para o final. Isto é, como um resumo, você deve fazer todas as etapas para sintetizar e inserir nele.

2 – ANÁLISE DE MERCADO

Desse modo, agora que sua empresa está definida, hora de focar no exterior. Por exemplo, saber quem são seus clientes, como trabalhar com fornecedores, e quais serão seus principais concorrentes.

A Júnior FEA-RP é especialista nisso e já trabalhou com vários projetos de Análise de Mercado. Para saber como encarar o mundo em que a empresa vai se inserir, não deixe de nos contatar (clique aqui).

A Análise de Mercado possui três pontos importantes:

Segmentação de clientes

O Cliente é parte vital de qualquer negócio, pois são eles que comprarão seu produto. Assim, para chamar a atenção, você precisa conhecê-los (seus hábitos, preferências e desejos).

Pense dessa forma:

  • Meus clientes são mais pessoas físicas ou pessoas jurídicas?
  • Qual a faixa etária deles? São solteiros ou casados? Qual a escolaridade?
  • Qual a frequência em que eles comprariam meu produto?
  • Onde eles compram?
  • Por que eles têm essa necessidade?

Desde que tenha isso em mente, você já está um passo à frente na consolidação da sua empresa.

Porém, nenhuma pergunta é respondida com especulação, são necessários dados confiáveis obtidos por meio de pesquisas, com questionários, entrevistas e análises. A Júnior FEA-RP pode ajudá-lo a encontrar as respostas para essas perguntas.

Análise de Concorrência

Uma outra pessoa teve uma ideia parecida com a sua, e quem diria, tem uma empresa bem perto de você, atuando no mercado há mais tempo. Nesse sentido, como ela obteve sucesso e quais são as estratégias que ela utiliza? Ao passo que você esta observando seu concorrente, você pode entender o que deu certo e evitar os erros dele.

Portanto, é preciso saber:

  • Qual a qualidade do produto dele?
  • Qual é o preço que ele vende?
  • Como é o atendimento?
  • O que faz com que os clientes comprem dele ou deixem de comprar?
  • O que o meu negócio tem que o dele não?

Concorrência nunca é vista de forma amigável. Então, planeje como será a reação do seu concorrente quando começar, e quais serão os recursos que eles usarão para tentar tirar você do caminho!

Análise de fornecedores

Os fornecedores serão pessoas que o ajudarão com materiais físicos para construir sua empresa. Eles disponibilizarão matéria prima, equipamentos, máquinas e bens que serão valiosíssimos para sua operação.

Pense nos seguintes pontos:

  • Do que eu preciso?
  • Quem está oferecendo o que preciso?
  • Qual é o preço cobrado?
  • Qual o prazo que eles oferecem?
  • Onde eles estão?
  • Quais são as quantidades mínimas de pedido para cada um deles?

É sempre bom conhecer vários fornecedores, e manter mais de um como reserva, caso o principal apresente problemas. Todavia, verifique a qualidade dos materiais! Certamente o barato – como muitas vezes – sai caro.

3 – PLANO DE MARKETING

Salvo que seu produto deve atrair a população geral de alguma forma, para isso, ele tem que ser bem apresentado. O plano de marketing descreverá seu produto nos mínimos detalhes, como cor, tamanho, qualidade, sabor, rótulo, marca, etc. Além disso, você tem que compreender a estratégia de venda desses produtos, e como eles vão chegar na mesa do seu cliente.

Desse modo:

  • Qual é meu produto?
  • O preço corresponde com a qualidade?
  • Qual é a diferença dele com o do meu concorrente?
  • Em que setor que minha empresa vai trabalhar?
  • Eu sei o é meu plano de distribuição?
  • Qual o comportamento do meu cliente?
  • Como meu produto vai chegar até ele?
  • Ele vai ser vendido numa loja física, ou pela internet?
  • Posso entregá-lo?

E o mais importante: como os clientes sabem que ele existe?

A princípio, um plano de marketing bem feito colocará seu produto à vista das pessoas e vai te dar um panorama de como serão as vendas, e ações para impulsioná-las. A Júnior FEA-RP se especializa em Plano de Marketing e pode ajudá-lo a evidenciar seu produto nas prateleiras do Brasil afora.

4 – PLANO OPERACIONAL

O Plano Operacional compreende o funcionamento da empresa. Ou seja, quais são os passos necessários para que ela opere. Então, isso inclui, a venda do produto ou a prestação do serviço.

 Você precisa saber:

  • O tempo em que leva para sua empresa vender seu produto;
  • A quantidade dos funcionários;
  • Sua qualificação;
  • A produtividade dos equipamentos;
  • Quais equipamentos serão usados;
  • Capacidade de distribuição e armazenamento;
  • Disponibilidade e prazo dos fornecedores.

Ainda, monte uma hierarquia e coloque cada funcionário em seu devido cargo, condizendo de acordo com o perfil de cada um. Por exemplo, ao abrir uma loja, você precisará utilizar seu espaço com o máximo de eficiência possível, para usufruir da organização, e evitar acidentes de trabalho. Nesse sentido, estabelecendo seções e escritórios, distribuição da sua equipe, onde as máquinas ficarão instaladas e, no caso de comércios, onde estarão as gôndolas e departamentos.

Uns bons arquitetos, designer de interiores, engenheiros, ajudarão nessas informações.

5 – PLANO FINANCEIRO

Em seguida, com tudo isso solidificado, defina a estrutura de custos.

Um plano financeiro envolve o dinheiro, gastos e investimentos para seu negócio funcionar bem. Assim, para sua realização, pense no sumário, avaliando os custos com: máquinas, fornecedores, móveis, salários, profissionais contratados, etc.

Por fim, com isso em números concretos, haverá uma noção do investimento necessário para sua empresa.

 O investimento total é dividido assim:

  • Investimentos fixos;
  • Equipamentos (máquinas, móveis, utensílios);
  • Capital de giro;
  • Investimentos pré-operacionais (como inauguração da loja, por exemplo)

Esses são gastos prévios ao início do negócio. Além disso, pode arcar com reforma de imóveis, taxas para registrar sua empresa, entre outras coisas. Portanto, inclua um demonstrativo de resultados também, com receitas e despesas que entrarão nos seus relatórios contábeis.

Assim poderá ter uma definição de quando seu investimento terá retorno financeiro. Contudo, após a compreensão e análise dos números, para você e seus sócios, escolha a fonte do capital para o empreendimento: pode vir do seu dinheiro pessoal ou de empréstimos de bancos e investidores.

Em suma – contando com empréstimos de terceiros – ter um Plano de Negócios bem estruturado é vital para convencê-los que sua empresa possui grandes chances de retorno financeiro.

6 – ANÁLISE DE CENÁRIOS E AVALIAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIO

Pronto! Seu Plano de Negócio está concluído com sucesso e você pode agora criar algumas hipóteses e especular cenários.

Como produzir algumas simulações, assim verá que em uma delas a empresa está indo super bem e, na outra, ela não está.

Veja como ela reage com os eventuais problemas que irão, sem dúvida, surgir. Assim, você estará preparado para enfrentar os problemas, arquitetando estratégias que vão tirar o máximo de vantagem de um cenário positivo e o mínimo de perda para um cenário negativo.

Dessa forma, analise e avalie seu Plano de Negócios com zelo e exigência. Ou seja, veja se todas as informações estão claras e satisfazem o que o mercado pede de sua empresa, e se ela está pronta para operar em um mundo de incertezas.

De acordo com o que foi visto, pergunte-se, de forma honesta: Vale a pena me arriscar com meu negócio?

  • Se a resposta for sim, vá fundo e boa sorte.
  • Se for não, volte ao passo 1 e refaça novamente.

Existe sempre um risco em empreender, mas o importante é saber o tamanho dele, e se você está à altura de enfrentá-lo. Portanto, não desista.

Assim, com um Plano de Negócios fiel à realidade, e um pouco de criatividade e desenvoltura, seu negócio irá florescer e dar muitos bons frutos para você, seus sócios, seus funcionários e para a sociedade.

Quer saber mais sobre ferramentas úteis para estruturar seu negócio e conseguir se destacar no mercado? Então veja o que é Planejamento Estratégico e como fazer

Ficou com alguma dúvida sobre o Plano de Negócios? Ligue para nós ou agende uma reunião de diagnóstico para seu empreendimento abaixo.

Consultoria empresarial em Ribeirão Preto
A Júnior FEA-RP pode ajudar você a transformar sua ideia em um empreendimento de sucesso.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *